terça-feira, 3 de maio de 2011




por conseguinte, decidiram-se por aquilo que resta às pessoas do nosso tempo, quando não sabem o que fazer, isto é, ir ao cinema.



(joseph roth - a lenda do santo bebedor, 1939)

6 comentários:

José Luís Espada Feio disse...

não deixa de ser algo revelador do país que somos, constatar que por detrás daquela magnífica fachada em Arte Nova, funcionou um dos primeiros e mais emblemáticos cinemas de Portugal. cada vez que ali passo, penso sempre nisto, é-me inevitável. não tendo nada contra as actividades que agora por lá se exibem (igualmente lúdicas, por sinal), poderiam as ditas funcionar num outro local. noutro país, seria muito provavelmente um museu ou um espaço cultural, por cá, serve apenas de abrigo esconso às fantasias solitárias de quem ali vai.

Anónimo disse...

desemboquei ali por acaso. meio-dia, pico de sol, salsa e merengue a sair de vez em quando pela cortina escarlate. e um fumador de cabelo cortado à escovinha a deambular pelas redondezas.
muito cinematográfico. um filme do pedro costa, passado à hora do almoço.
mas concordo com tudo o que escreves, José Luís. é uma pena. ainda que muito cinematográfica, como disse.
(filipa)

henedina disse...

Quando não tenho "nada" a fazer venho aos blogues :).

sem-se-ver disse...

(desafio literário no meu blog.

:-)

desculpe... sinta-se à vontade para não aceitar, claro está.

http://sem-se-ver.blogspot.com/2011/05/olho-desafio.html

the dear Zé disse...

e pensar que vi aí o nosferatu...

Anónimo disse...

the dear Zé, que inveja...
(filipa)